A direita tem URUBU NO SEU QUINTAL ?, Torcato Silva

“Ter Urubu no seu quintal, é uma expressão bem Brasileira, que, em sentido lato, quer dizer: -“a coisa está preta” há morte no meu quintal, há coisa a cheirar mal no meu quintal, por isso é quem tem lá esse pássaro preto necrófago que só se alimenta de coisa morta! – ter urubu no quintal… é um péssimo sinal! “ Ultimamente temos visto nos céus de Portugal, cá por estas bandas do lado de cá de “Tanto Mar”alguns URUBUS, machos e fêmeas, esvoaçando freneticamente em busca de alimento. Segundo a tradição, atraídos pela morte, sobrevoam os lugares de tragédia, grasnando continuamente de alegria, temos alimento! Temos alimento! Continuar lendo

Debates informais sobre temas de restrição à liberdade, Teresa Gago, Rafael Galego, Luís Vaz

Refletir criticamente hoje para projetar o futuro, supõe um compromisso com a história herdada enquanto unidade em construção, e ação cuidada, passo a passo, com paciência, prudência, firmeza e justiça, mas sempre na base de valores universais de Liberdade e de Livre Pensamento.

Não imagina o cidadão o poder que constituem estes dois postulados! Perguntamos porque é que na estrada que cada cidadão trilha sente necessidade de fazer desvios a favor da submissão às elites nacionais e internacionais que só nos tem causado infelicidade? Continuar lendo

Condicionamento do livre pensamento através da manipulação da cultura e da comunicação social, Jacinto Rego de Almeida

MESMO QUE ACEITES A TUA REALIDADE, LUTA POR UMA MELHOR

Há um processo de alienação sempre que a transmissão de cultura, incluindo a informação pelos órgãos de comunicação social, não constitui uma experiência vivida, mas apenas se destina a tranquilizar e adormecer os processos de consciência. Observe-se, no caso da informação que serve a cultura de massas dirigida por empresas privadas ou públicas, o excessivo espaço dado ao futebol e à intriga política, o tráfico das redes sociais, o das revistas cor-de-rosa e da violação da privacidade e à descrição parcial e manipulada de acontecimentos tais como desastres e assassínios. Continuar lendo

Militância partidária, livre pensamento, cooperação conflitual, Camilo Mortágua

Bom dia, Bom dia . e boa disposição

Para iniciarmos este debate sobre: A  LIBERDADE  na óptica do exercício da Cooperação conflitual e do Pensamento Crítico e os seus efeitos: em nossas vidas, nas nossas relações familiares, sociais, profissionais e políticas e, sobretudo, na configuração das .nossas consciências de (teimosos e aguerridos defensores da Liberdqde,) como nos definiria Torga não vos trazemos certezas, teses impositivas ou ideias feitas. Continuar lendo

Revolta e Revolução, Hélder Costa, Isabel do Carmo

Todos conhecemos a icónica frase de Marx: não basta conhecer, perceber o mundo; é preciso lutar para o transformar.
Muitos milhões têm tentado transformar o mundo.
E multiplicaram –se as tácticas e as estratégias. Numa leve síntese a partir do século XIX tivemos o Blanquismo e Anarquismo muito assente em atentados individuais, as barricadas, a greve geral, os revolucionários profissionais (partidos clandestinos), a longa luta camponesa, o golpe militar, a teoria do foco… Continuar lendo

Flagrantes delitos à Liberdade – o caso do Brasil, Amândio Silva

Flagrantes delitos à Liberdade estão visíveis, sentimo-los na pele em quase todo o mundo, mesmo nas democracias mais tradicionais, pejadas de antidemocratas que as minam metodicamente, sempre a favor do capital e contra os trabalhadores e os setores empobrecidos das classes médias. O resultado tem sido uma restrição de direitos, tanto na área económica, ao impor a “normalidade” de cada vez mais horas de trabalho com menor remuneração, como, e não menos importante, no condicionamento do saber e do pensar. Continuar lendo

“SE”- Sintonia  de Esquerda, São Esperança Ferreira

É uma plataforma de pensamento e acção destinada a permitir e estimular o diálogo entre organizações e pessoas de esquerda, dispostas e interessadas em contribuir para o desenvolvimento duma “alternativa comum de esquerda” em Portugal e onde for possível. Deverá contar com um funcionamento regulado de forma a permitir e possibilitar o máximo possível de acordos e convergências de formulação-acção entre as forças políticas e sociais nela representadas. Continuar lendo